sábado, 14 de novembro de 2009

Vítimas da Sociedade

Antes de mais nada a sociedade capitalista, ou “capetalista”, tem feito suas vítimas, não tenho duvida, e este assunto comento noutro post...

O assunto de hoje é a "vitimização", na minha perspectiva uma doença deste nosso tempo. Temos que lidar com ela diariamente. Uns mais outros menos, mas todos estão com isto à volta o tempo todo.

Tomando uma pessoa em estado de pobreza como exemplo.
Esta “doença” faz com que tal pessoa, neste estado, sinta-se vítima da sociedade achando que alguém deve pagar por ele estar neste estado. Ele tem sempre que ganhar algo ou algum. Assim vai interpretando o mundo. É vilão quem nada dá, é vilão quem não o vê...

Tal sentimento o coloca num estado de miséria ainda maior, sempre na expectativa, esperando sempre receber “uma ajudinha”, alguns recebem: da prefeitura, do governo federal, das ONGs, das igrejas, de outras pessoas em situação melhor, etc... Nada contra quem dá algo ou algum, isto hoje é mais que uma necessidade, o assunto hje é o"ponto cego" de quem, tão acostumado a receber, não quer deixar de fazê-lo.

A “doença” leva as pessoas a um estado de letargia, sempre esperando receber algo, ao mesmo tempo em que sempre se sente discriminado pelo seu estado. Mudar o comportamento, mudar a postura, significa cura. Mas há um preço a ser pago para deixar de ser discriminado, necessariamente é preciso deixar de receber, tem que parar de procurar onde "alguém esta dando algum". A cura significa não mais um "receber passivo", significa ir a luta "receber ativo".

Conheço quem já foi curado desta doença e já me deparei com doentes crônicos, quem foi curado não pode nunca baixar a guarda - a doença pode voltar -... E os crônicos? Tenho medo deles... Relacionam-se com o mundo através da sua dor!

Há uma reação comum em muitos dos "vitimizados". Devido a 'doença' causam muita dor e sofrimento a quem podem... Movidos por justiça própria, roubam dos outros para suprir suas necessidades. Perceba que na perspectiva deste "doente" você é o vilão da história, ele é a vítima e precisa tomar algo que não lhe dão.

Aquele que será roubado corre sério risco, tem que ter algo para "entregar", algo bom para "dar", algo que valha o esforço do "doente". Todos conhecemos histórias de quem não tinha nada de valor no momento da abordagem e por isso foi agredido, pessoas que tiveram a casa invadida por estas "vítimas" que por não verem nada que lhes agradasse decidiram somente depredar o local. Isto tem acontecido com casas, escolas, empresas, igrejas, repartições públicas. É... estes "doentes crônicos" alegando “tirar dos ricos para dar aos pobres” na ânsia de tomar o que não lhe dão, sem remorso destroem roubam e matam. Assim se fecha o ciclo: vítimas da sociedade fazem também suas vítimas. Relacionam-se com o mundo através da sua dor!

Usei o exemplo da pobreza. Poderia usar outros grupos que sentindo-se discriminados, posicionam-se como vítimas e escolhem se relacionar com o mundo através da sua dor. Exemplo de outros grupos: Indígenas; idosos; analfabetos; mulheres; gays, negros, etc.

Esta “doença”, a “vitimização”, compromete inclusive a comunicação com aqueles que estão contaminados...

3 comentários:

  1. Ola SJR!


    Queria convidar você para conhecer o meu blog, o Genizah que horas é pirado e engraçado, horas é exaltado e sério, mas é super do bem e tem como regra levar o Evangelho da Liberdade Verdadeira e a Santa Subversão de Jesus ao mundo egocêntrico e perdido nos seus valores! E, ainda dando tempo, aproveito para tirar uma onda com este pessoal que anda explorando a fé das pessoas e ainda dizendo que são cristãos... Ops!

    Por minha vez, já me tornei seu seguidor.

    Abraços em Cristo e Paz!

    Danilo

    http://www.genizahvirtual.com/

    ResponderExcluir
  2. é verdade!
    mas ainda acho que a parcela que se faz de vítima é bem menor do que a parcela que FAZ Vítimas.
    qdo tiver um tempo dá uma olhada nesse video (pro seu proximo post) http://www.youtube.com/watch?v=bO5MoZdzp9g&NR=1

    ResponderExcluir
  3. ... e UM não justifica o OUTRO...

    ResponderExcluir